terça-feira, 25 de maio de 2021

Propostas para o Plano Plurianual da Saúde Mental de Londrina

 

 

PROPOSTAS DA REUNIÃO PÚBLICA: O CONTEXTO ATUAL DA SAÚDE MENTAL EM LONDRINA E AS PESPECTIVAS PARA 2022-2025

 

- Realização de planejamento da Saúde Mental sob a perspectiva territorial, considerando também o cenário pós pandêmico, uma vez que o agravamento da saúde mental atinge a população, sobretudo as que vivem em situação de vulnerabilidade social;

- Realinhamento do que se entende por Saúde Mental e Rede de Atendimento, guiando-se pelos princípios da reforma psiquiatrica, assim como promover balisamento conceitual dos vários setores governamentais;

- Consolidação da Assistência à Saúde Mental promovendo a municipalização dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS);

- Organização de Centros de Convivência descentralizados articulando ações da Saúde, Assistência Social e outras políticas públicas, fortalecendo a perspectiva territorial;

- Implantação de mais serviços de CAPS nas demais regiões da cidade, descentralizando o atendimento no CAPS III e aproximando os serviços da população;

-  Implantação de pelo menos mais um CAPS Infantil e e do CAPS AD (Álcool e Drogas)

 - Ampliação das equipes existentes nos CAPS da estrutura dos CAPS existentes, destinando recursos para a contratação de novos profissionais (psicólogos, assistentes sociais, musicoterapeutas, terapeuta ocupacional, educador social, educador fisico, educador artístico, etc); reposição de recursos humanos dos serviços e aquisição de equipamentos e materiais necessários para o desenvolvimento das atividades;

- Manutenção de todos os profissionais de carreira, tendo em vista a realização do atendimento continuado e o vínculo com os pacientes/famílias;

-  Manutenção dos profissionais que atuam na Saúde Mental, até que seja realizado um concurso público, sejam eles de carreira ou do convênio com o CISMEPAR;

- Manutenção dos profissionais (carreira e do convênio com o CISMEPAR)  que atuam na Saúde Mental até que seja realizado um concurso público para a municipalização dos serviços e revisão do convênio com o CISMEPAR, com vista à reposição dos profisionais dos cargos vacantes na área da saúde mental ;

- Avaliação e revisão do convênio com o CISMEPAR, na área da saúde mental, considerando que já houve esse indicativo em 2011;

- Realização de formação continuada e permanente para os profissionais de saúde para os três níveis de atenção, além de formação específica para a rede de Saúde Mental;

-  Ampliação e reposição dos recursos humanos das equipes do Núcleo Ampliado de Saúde da Família - NASF na atenção básica;

- Realização de atendimento de saúde mental dos casos leves e moderados pelas Unidades Básicas de Saúde, levando em conta a perspectiva territorial;

- Fortalecimento da perspectiva comunitária de saúde mental, através da articulação do Poder Público com as iniciativas dos moradores nos territórios;

-  Fomento da participação das Universidades no auxílio das questões atinentes à Saúde Mental através das ações de pesquisa e extensão desenvolvidas;

- Incentivo para a abertura e manutenção de Leitos de saúde mental em Hospital Geral;

- Implantação de Unidade de Acolhimento Transitório (para os usuários que não necessitem de internação);

- Ampliação de equipe e de horario de atendimento do Consultório na Rua;

- Implantação de Residências Terapêuticas nos territórios;

- Garantia  de atendimento para as pessoas com deficiência, considerando suas necessidades e especificidades, em locais adequados, com capacitação do quadro de profissionais para o respectivo atendimento;

-  Fortalecimento do tratamento humanizado na área da saúde mental, tendo como referência os principio da Reforma Psiquiátrica e reafirmando o protagonismo do usuário;

- Assistência farmacêutica assistida aos usuários da saúde mental, por equipes multiciplinares, por meio dos serviços descentralizados;

-  Atendimento às famílias dos usuários com transtorno mental;

- Publicização das informações sobre os atendimentos prestados pela rede de tratamento das pessoas com Deficiência Intelectual e com Transtorno Global do Desenvolvimento (DITGD);

 - Acompanhamento e publicização pelo Município das entidades prestadoras de serviços na área da dependência química, levando em conta, as diretrizes da política de saúde mental conquistada com a reforma psiquiátrica.

 

 

           

           

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Campanha de doações para a população em situação de rua de Londrina


Neste Natal temos a oportunidade de ajudar mulheres em extrema vulnerabilidade. Estamos arrecadando produtos de higiene pessoal para que elas, que vivem nas ruas de Londrina, tenham dias mais confortáveis. 

Vamos colaborar? Pode ser com algum dos produtos listados acima ou com um valor em dinheiro.

Colabore! Arrecadações até o dia 24 de dezembro (quinta-feira).

Conta: 56747-8

Ag: 1686

Banco Itaú

Em nome de: Ana Cristina Góis Fuentes

CPF: 022331729-22

Uma ação do Movimento Nacional da População de Rua (MNPR) - Núcleo: Londrina

"Sempre fica um pouco de perfume nas mãos que oferecem flores."